Casal Espera Trigêmeos, Mas Médico Estava Intrigado Com Um Dos Bebês

PUBLICADO EM 07/02/2020
ANÚNCIO

A maneira como um bebê vem pra nosso mundo não importa, os pais, entretanto, aproveitam a jornada de criação e de trazer à vida pro nosso mundo. Esse casal, Aaron e Rachel Halbert têm uma história que choca. O casal teve trigêmeos, mas algo estava estranho, o que será que eles estavam esperando?

Imagem1

Casal Espera Trigêmeos, Mas Médico Estava Intrigado Com Um Dos Bebês

Mundos Distintos

O casal é de mundos diferentes. Rachel cresceu em Mississippi. Enquanto Aaron nasceu e foi criado em Honduras, onde seus pais eram missionários evangélicos. Rachel não era aberta ao universo da diversidade racial, entretanto, Aaron era familiarizado já que era o único caucasiano loiro de olhos azuis em sua cidade natal. Como uma jovem adulta, Rachel começou a ir a viagens missionárias. Ela optou por isso já que queria experiência e responsabilidade.

Imagem1

Mundos Distintos

Encontro Às Cegas

O casal se conheceu num encontro às cegas em 2004. Para eles foi basicamente amor à primeira vista. O casal compartilhava do sonho de mudar o mundo através do evangelho. Ambos eram missionários. A partir daquele momento, eles sabiam que o futuro os reservava: casamento e família. O casal não tinha pressa e seguiram se conhecendo melhor.

Imagem1

Encontro Às Cegas

Devagar…

Eles foram se aproximando durante sua jornada missionária. Eventualmente, a relação progredia de maneira exclusiva. O casal seguia namorando e compartilhando uma conexão especial e algo começou a fortalecer o laço deles, que era o sonho em comum da adoção. Aaron disse ao “Washington Post”: “Quando ainda estávamos namorando, um laço em comum que deu ainda mais força à nossa relação foi que Rachel e eu queríamos adotar”.

Imagem1

Devagar…

Planos Futuros

O casal não possuía nenhum problema de fertilidade, mas sentiram que a coisa certa a ser feita era adotar. “Enquanto férteis, nós dois tínhamos a profunda convicção de que uma das maneiras de ser pró vida era nos envolvermos em adoção”, relatou Aaron. Assim que eles começaram a falar sobre adoção eles tiveram a certeza de que queriam estar juntos para o resto de suas vidas. Então, Aaron pediu a mão de Rachel. Claramente ela disse “sim”.

Imagem1

Planos Futuros

Casamento

Bastante gente sofre procurando sua “cara-metade” e passa a maior parte de sua vida adulta procurando por ela. Não é o caso de Aaron e Rachel, pois eles compartilharam de uma conexão mútua imediata. O casal se casou em 2006. Uma vez casados, o próximo passo era ter um filho, mas eles decidiram esperar um bocado. Ao mesmo tempo que queriam ser pais, o casal sabia que com o trabalho missionário seria desafiador conciliar. Ambos acreditavam que o momento certo estava para chegar.

Imagem1

Casamento

Nova Missão

Não muito tempo passado desde que casaram, o casal recebeu uma oferta de retornar a Honduras. Decidiram ingressar na missão, e viajaram um pouco mais tarde daquele mesmo ano de 2006. Rachel estava muito excitada para conhecer o lugar que Aaron cresceu. Missionários lecionavam em uma cidade próxima a Tegucigalpa. Poderia não ser uma lua-de-mel ideal, mas o casal sabia que era o retiro ideal. Assim que chegaram, eles notaram algumas mudanças na região, mas…

Imagem1

Nova Missão

Necessidades

O casal ficou por lá durante alguns meses e ficaram preocupados com a comunidade local. Era evidente que as igrejas precisavam ensinar o evangelho. Os Halberts sabiam que eles tinham uma missão, um propósito a ser cumprido lá. Infelizmente, era a sua vez de voltar pra casa, ainda que eles quisessem muito ficar, eles eram incapazes devido ao cronograma do projeto missionário. Eles nunca esqueceram a comunidade e retornaram a Mississippi satisfeitos com o trabalho realizado. Em casa, uma enorme mudança esperava por eles.

Imagem1

Necessidades

Indo Pra Casa

Enquanto se adaptavam em suas rotinas, Aaron teve uma ideia diferente. Aaron sempre sonhou com um mestrado em “Divindade”, um título pastoral. Isso foi o que ele fez, começou na escola de Seminário Teológico Reformista em Jackson, Mississippi. O tempo todo o casal ansiava retornar a Honduras. Pouco tempo depois o casal começou a pensar sobre ter seu primeiro filho. Independente se fosse via adoção ou concepção.

Imagem1

Indo Pra Casa

A Comunidade

Aaron e Rachel queriam servir à sua própria comunidade em Mississippi também. Enquanto missionários eles sabiam que sempre haveria mais a ser feito. Aaron trabalhou na Segunda Igreja Presbiteriana na cidade de Yazoo. Ele era estagiário e diretor da juventude lá. O casal começou a aprender cada vez mais sobre adoção. Para o “Washington Post” Aaron relatou: “Nós vemos a proteção à criança não enquanto caridade, tampouco parte de uma agenda política, mas algo muito próximo a estar perto do coração de Deus”.

Imagem1

A Comunidade

Se Preparando

O casal pensou em visitar Honduras por um tempo. Eram bastante conscientes em relação às necessidades da comunidade de lá. Aaron e Rachel retornaram em missão com a Igreja Presbiteriana Americana. Eles optaram pela tentativa de conceber naturalmente, mas também visitaram uma agência de adoção. Foram a uma agência de adoção em Mississippi para que aprendessem um pouco mais. Ambos estavam prontos para constituir sua família.

Imagem1

Se Preparando

Expansão

Uma vez que visitaram a agência de adoção eles tiveram a certeza de que era a coisa certa a ser feita. O casal estava ciente que era difícil para órfãos encontrar lares, sobretudo os que não eram brancos, especificamente. O casal disse que adotariam qualquer criança, exceto uma criança branca. Eles entenderam que se Deus quisesse que tivessem um filho branco, Rachel conceberia naturalmente. “Nós fizemos isso com a profunda convicção de que se o Senhor quisesse que nós tivessemos um bebê branco, Rachel seria capaz de conceber”. E o que acontece depois?

Imagem1

Expansão

Adoção De Crianças

A agência logo encontrou o que os Halberts procuravam. Eles definitivamente fizeram a escolha certa. Os Halberts se apaixonaram por duas crianças – dois bebês, um garotinho e uma garotinha afro-americanos. Então, decidiram adotar ambos. Ford e Catherine foram adotados e recebidos de braços abertos pela sua nova família. O casal estava muito feliz, mas sabiam que enfrentariam grandes desafios sendo uma família multirracial. Independente de suas preocupações, tinham fé de que conquistariam o que quisessem.

Imagem1

Adoção De Crianças

Suas Opções

O casal se encontrou em um diálogo sobre ter mais filhos logo após a adoção de Ford e Catherine. É claro, como pais de primeira viagem eles se encontravam bastante ocupados, o que poderia não ser o momento certo para eles. Todavia, um amigo contou a eles sobre adoção embrionária e aconselhou o casal a dar uma aprofundada e pensar sobre o assunto. O casal recebeu a conversa como um sinal. Eles se debruçaram e aprenderam assim que tiveram essa conversa com esse amigo.

Imagem1

Suas Opções

Adoção Embrionária

Nas semanas que se seguiram, aprenderam o que diz respeito sobre o assunto. Aaron explicou “Nós vivemos em um mundo com centenas de milhares de embriões congelados nos Estados Unidos. A maioria que não é selecionado pelos seus pais biológicos são doados à ciência, destruídos ou mantidos congelados”. Isso significa que muitos desses embriões são desperdiçados. E esse método permite que outras pessoas adotem ou use esses embriões. O casal instantaneamente estava atraído a essa ideia.

Imagem1

Adoção Embrionária

Seguindo Em Frente

O casal se sentiu na obrigação de utilizar o método uma vez que pesquisaram e entenderam o assunto de forma mais aprofundada. O método significava que Rachel teria a experiência de engravidar e carregar um bebê. Aaron explica: “Se cristãos – ou outros – realmente acreditam que a vida tem como ponto de partida a concepção o que vem a seguir é que devemos responder que seria ardiloso apoiar uma adoção embrionária e tomar como parte de nós mesmos”. O casal tomou sua decisão e contataram o Centro Nacional de Doação Embrionária para dar início ao processo.

Imagem1

Seguindo Em Frente

Não Foi Fácil

Rachel estava em êxtase para começar. É claro, ela também estava nervosa e um pouco apreensiva. Rachel precisou se submeter a tratamentos para preparar seu corpo para o processo. Tudo correu bem. Em setembro de 2015 veio a notícia de que ela estava pronta para começar a fertilização in-vitro. Eles só precisavam ser pacientes. Esse processo de adoção é um meio difícil.

Imagem1

Não Foi Fácil

As Probabilidades

Havia alguns desafios que eles precisavam passar assim como na fertilização natural in-vitro. Precisava que o destino e a sorte estivessem a seu favor também. O processo envolve meses de tratamento hormonal antes da operação. Tendo em vista que uma mulher possui apenas 10% de chance de fertilização in-vitro durante as tentativas. Outro fator é o valor de cada tentativa que pode custar entre $10,000 a $15,000! O casal ficou apreensivo e sob estresse de não conseguir cobrir os valores do processo.

Imagem1

As Probabilidades

Monitoramento

O casal passava por tudo isso enquanto se preparavam para retornar a Honduras por conta de seu trabalho missionário. Eles só aguardavam a notícia de que o processo de implantação obteve sucesso daquela vez. A família voou a Honduras sem perder tempo. Seis semanas pós implantação eles foram a um hospital local a fim de ver se deu tudo certo. Eles falaram com um médico em outra língua e fizeram o possível para que ele compreendesse toda a situação.

Imagem1

Monitoramento

O Número

O médico se mostrou um pouco confuso e surpreso na consulta. Algo não estava batendo, pois ele era familiarizado com o processo in-vitro. O médico questionou a eles se ele poderia garantir que apenas dois embriões haviam sido implantados. O casal teve a certeza de que o processo tinha dado certo. Rachel e Aaron estavam em êxtase. Porém, o médico tinha mais a dizer a eles e essa era a razão de sua preocupação no que diz respeito ao número…

Imagem1

O Número

Trigêmeos

Quando o médico mostrou ao casal o ultrassom, tudo fez sentido. Rachel estava, de fato, grávida de três! Sua família estava prestes a ter trigêmeos. Eles estavam felizes, mas ainda assim chocados. Aaron e Rachel receberam a notícia como um propósito de Deus. Ambos desejavam uma grande família e seu sonho estava cada vez mais próximo da realidade.

Imagem1

Trigêmeos

Um Milagre

Aaron e Rachel ansiavam a chegada de seus bebês, entretanto, Ford e Catherine eram os que estavam em êxtase total. Aaron escreveu no Facebook: “Eu senti o puro deleite assistindo meu filho e minha filha felizes com a nossa gravidez. Toda noite eles beijavam a barriga da minha esposa dizendo boa noite às garotinhas que estavam ali dentro”. Ford e Catherine estavam extremamente felizes e ansiavam a chegada de suas irmãs.

Imagem1

Um Milagre

Benção

Em 2016 Rachel deu à luz a Anne, Whitley e Ryley. Ainda que não fosse o planejado, a chegada das trigêmeas excedeu a todas às expectativas do casal: “Nós somos extremamente gratos por Deus ter nos abençoado com essas doces garotinhas. Ele agiu por nós”, disse Aaron. Aaron vê seus filhos como a maior benção de sua vida. “Enquanto assisto minha família crescer, tenho cada vez mais certeza de que nossa família é um pedacinho do paraíso”, ele continuou.

Imagem1

Benção

Família Inter-Racial

As crianças podem não compartilhar laço sanguíneo, mas Aaron e Rachel são muito orgulhosos e gratos no que diz respeito à sua família. O casal amou a beleza de uma família inter-racial. “A beleza de uma família inter-racial é encontrada aqui, e o fato é que nossas diferenças é que nos enriquecem e completam. Faz com que pensemos diversas maneiras no que diz respeito ao jeito que você fala, pensa e age. Há algo muito lindo e enriquecedor ser a única “cara branca” enquanto sento e converso com meus amigos afro-americanos e meu filho corta o seu cabelo numa manhã de sábado”.

Imagem1

Família Inter-Racial

Apoio Especial

A família tem recebido muito apoio. Aaron revelou “Tem sido comovente ver nossos amigos e família oferecerem apoio e as diversas maneiras que temos provado disso tudo”. Eles se encontram muito felizes depois de terem realizado um de seus sonhos: “Nas nossas cabeças, nós estamos vivenciado o nosso sonho. Sonho este que pode não ser o mesmo da maioria das famílias, mas um que somos extremamente gratos por estarmos aptos a contribuir para a história de nosso país”, disse Aaron.

Imagem1

Apoio Especial

Diferentes Reações

Alguns não aprovam a escolha do casal, entretanto, “Nós sabíamos, especialmente no Sul, que um casal branco com crianças negras pode causar inúmeras reações. Haverá sempre a senhora branca da Walmart que reprovará nossa família, assim como a mãe afro-americana que ‘balança a cabeça’ chocada quando nos vê”, explicou Aaron ao “Washington Post”. Muitos o fizeram. “Mas há também aquela jovem negra que se comoveu quando viu que aquele garotinho que possuía a sua mesma cor de pele era nosso filho, e o velho médico branco que cuidou amavelmente dele e o segurou com muita ternura”, ele afirma.

Imagem1

Diferentes Reações

Eles Não Fazem Nem Ideia

A família frequentemente lida com espectadores curiosos. Os Halberts têm consciência de que não são todas as pessoas a favor da igualdade e diversidade étnica. Mas eles não dão a mínima para a aprovação dessas pessoas. Aaron disse: “Um dos temas centrais do cristianismo é, apesar de tudo, que Deus, através de Seu Filho, está chamando a todos sem distinção de cor, etnia ou nação. Quando nos apegamos à diversidade, fazemos com que o mundo se fortaleça nas maravilhas das criações de Deus através das variações de tom de pele, personalidades e proficiências. Devemos celebrar as nossas diferenças, não segregar”.

Imagem1

Eles Não Fazem Nem Ideia

A Complexidade

“A adoção embrionária pode ser muito difícil para o doador da família. Eu acredito que doar o seu embrião para que ele seja congelado pode ser uma das mais difíceis decisões que uma pessoa pode ter”, Rachel explica. Ela tem muito respeito pelas pessoas que doam. “Pode ser muito doloroso saber que outra família está criando seu filho biológico. Por alguma razão, seja ela médica ou financeira, você se torna incapaz de trazer à vida para o mundo”.

Imagem1

A Complexidade

A Experiência

Ainda que a adoção embrionária não seja o melhor caminho para muitas famílias, para Aaron e Rachel foi o percurso traçado. O casal ganhou trigêmeas, mas também toda a experiência do processo de gravidez. Rachel explica a experiência como “linda e única”. Ela também expressa sua gratidão através do altruísmo e força desses pais biológicos que doam seus embriões.

Imagem1

A Experiência

A Importância

O casal sente que tanto a adoção embrionária quanto a adoção normal são igualmente importantes. Eles entendem que a opção não é amplamente difundida. Entretanto, há milhares de embriões aguardando por doadores. Os embriões que o casal usou esperaram por 12 anos. “Nós não estamos dizendo que as crianças que aguardam por uma adoção são menos importantes do que os embriões. Eles não são menos importantes, tampouco mais importantes. Todas as vidas de nossas crianças são importantes”, explica Rachel.

Imagem1

A Importância

Mãe De Cinco

Mamães ao redor do mundo concordarão que elas mal têm tempo livre. As coisas na casa dos Halberts podem ficar caóticas, mas Rachel ama ver todo esse processo. Ela explicou: “Eu imaginaria que a minha vida, enquanto mãe, é muito similar à vida de outras mamães. Minha rotina se baseia em alimentar cinco crianças famintas, trocar muitas fraldas, tendendo à tarefas domésticas, ensinar, amar e brincar com cinco crianças, aprendendo como fazer o cabelo de quatro lindas garotinhas e de um lindo rapazinho e encontrar um minuto ou dois para me alimentar”.

Imagem1

Mãe De Cinco

Uma Família

Os Halberts entraram de cabeça em todo o processo de adoção com suas mentes e corações abertos e receberam em troca bênçãos incríveis. Rachel planejava ter 4 ou 5 crianças, mas não esperava que acontecesse tão rapidamente. As crianças são felizes e saudáveis. Eles têm ótimos pais que os ensinam os bons valores e morais. Nós não tínhamos nenhuma dúvida que eles cresceriam com muito amor, bondade, compaixão e otimismo assim como papai e mamãe cresceram.

Imagem1

Uma Família

O Futuro

Eles planejam mais filhos? Bem, eles não sabem ao certo no momento. “Bom, nós veremos o que o futuro nos aguarda. Por enquanto, estamos aproveitando ao máximo essa fase da vida”, disse Rachel. Eles certamente estão bastante ocupados com seus cinco filhos. O casal espera inspirar outros casais a considerarem a adoção embrionária. Aaron e Rachel não desistiram de seus objetivos missionários.

Imagem1

O Futuro

Um Novo Time

Com o nascimento das trigêmeas eles decidiram voltar a Tegucigalpa. Aaron e Rachel trabalham na capital e cuidam dos menos afortunados. O casal divide igualmente suas responsabilidades com as crianças. Entretanto, Rachel agora é uma mãe em tempo integral, quer dizer, nós entendemos o porquê. Os Halberts seguem pregando o evangelho à maneira que podem.

Imagem1

Um Novo Time

Ao Ponto De Partida

As crianças amam crescer entre Honduras e America. Os porta-retratos da família com certeza não é nada tradicional. Sua diversidade e amor denotam a luz através dessa família. Os Halberts escrevem sua história familiar com muita humanidade e exemplo.

Imagem1

Ao Ponto De Partida

ANÚNCIO